Estratégias para dominar a nova dinâmica de mercado

Por Marisa Nannini

Prosperando na era exponencial

Recentemente, motivada por conversas com parceiros que já enxergam a importância de um crescimento veloz acima do comum para obter sucesso no século 21 — especialmente diante de start-ups que crescem a taxas sem precedentes de velocidade — uma reflexão me veio sobre essa importante tendência:

“Em tempos exponenciais (era da competição hiperacelerada), como apoiar a necessidade imperativa de redesenhar estratégias de aprendizagem digitais que contribuam para que o negócio ganhe escala e se mantenha competitivo?”

Sabemos que quase nenhuma empresa está imune aos desafios da ruptura digital, que tem tornado as velhas formas de operar insustentáveis. Então, se novas tecnologias digitais aceleram a inovação como nunca se viu, e essa tendência de aceleração é muito maior do que podemos supor, como preparar as empresas para esse futuro emergente?
Para estar à frente, o jeito é detectar as oportunidades mais rapidamente. Como avisa Peter Diamandis, presidente da Singularity University e co-autor do livro Abundance: The Future is Better than You Think:

“Ou você transforma seu próprio modelo de negócio, ou outra empresa fará isso antes de você”

A sobrevivência agora depende da capacidade dos negócios de abandonar crenças de longa data e reimaginar quem eles são. Mas como repensar e ajustar a estratégia para assimilar inovações digitais que acelerem de forma dramática a escala e o impacto da aprendizagem nos negócios?
O fato é que não há sinal de que os avanços digitais se estabilizem com o tempo. Daí a necessidade de se mudar o mindset: de
flexibilizar as estruturas e desenvolver pensamento ágil para prosperar nesse novo contexto. Escapar do “darwinismo digital” pressupõe manter fluxo de ideias, agilidade organizacional, predisposição ao risco e foco em ganhar escala rapidamente.

Mas, o que isso significa para o desenvolvimento organizacional e humano?

Novas estratégias demandam novos comportamentos dos profissionais. Portanto, em grande parte, operar num ritmo mais veloz depende da capacidade de rapidamente e efetivamente ativar o comportamento humano para a nova realidade. A prioridade hoje é conceber soluções e treinamentos relevantes conscientemente projetados para facilitar o acesso simples e direto à informação vital que será traduzida em decisões críticas e ações produtivas. Ao ampliar às pessoas a possibilidade de localizar de imediato o que precisam — por exemplo, criando “playlists” de conhecimentos online de fácil escolha —, abre-se o caminho para a geração de novas reflexões e para a inovação. A ideia é viabilizar, por meio de experiências digitais, um novo jeito, mais fluente, de aprender e desempenhar, da mesma forma como já ocorre no dia a dia fora da vida organizacional.

E qual a melhor maneira de aplicar esse tipo de aprendizagem em larga escala?

Em síntese: pela implantação de metodologias de EdTech (microlearning, soluções digitais, multifacetadas e interativas) que acelerem a aprendizagem, permitindo aos profissionais um jeito mais fluido e simples de aprender rapidamente, descobrindo soluções em tempo real para tomar boas decisões e saber ajustar objetivos quando as circunstâncias mudam ao enfrentar desafios inesperados.

De uma vez por todas, parar de “aperfeiçoar o irrelevante”

— como David J. Clarke se refere a ações de desenvolvimento sem ressonância com a atualidade. O segredo é estar aberto para investir em modelos não consolidados, mas com potencial de trazer impacto transformador, e ter a competência de mitigar riscos inerentes a este cenário.
Não é à toa que tecnologias digitais, cada vez mais variadas e complexas, são adotadas em iniciativas de desenvolvimento humano. Segundo a pesquisa da Docebo “2016 Learning Technology Study”, 48% das organizações afirmam que a prioridade top de T&D nos próximos 12 meses é explorar as mais recentes e diferentes tecnologias digitais.
Assim como a velocidade das novas tecnologias reinventam continuamente o mercado, a aprendizagem não pode parar. Por isso mesmo, é primordial manter-se em dia com a evolução digital, que cria uma série de oportunidades para escalar novas experiências de aprendizagem, ajudando a acelerar inovação. Como dizem Harold Jarche e Charles Jennings:

“Neste mundo novo, aprender é o trabalho”

Organizações Exponenciais

Por causa das transformações do mundo digital, empresas tradicionais, baseadas no crescimento linear, sentem uma pressão crescente para reconsiderar velhos pressupostos e explorar novos modelos. Principalmente porque muitas start-ups hoje alteram as dinâmicas de mercado ao atuar como “organizações exponenciais” — termo criado por Salim Ismail, no livro “Organizações Exponenciais”, que descreve empresas que superam desproporcionalmente seus concorrentes, sendo ao menos 10 vezes melhores, mais rápidas e mais baratas.

Elas alcançam esse crescimento exponencial adotando rapidamente novas tecnologias (realidade virtual, robótica, inteligência artificial, impressão 3D, etc.) e criando novos modelos organizacionais.
Mas negócios tradicionais também podem responder a essa nova realidade com novas abordagens. A previsão dos autores é de que no futuro tudo será digital (estratégia, estrutura, processos, etc.). A chamada “digitalização de tudo”.

Artigos Relacionados

CONARH 2017 e O Poder da Influência

5 Drivers que já estão mudando o mercado como você o conhece

SXSWedu 2017: Hacks de aprendizagem, uma educação superior digital e boas práticas na produção de vídeos educacionais

Tendências Digitais para considerar em seus projetos de Educação Corporativa Digital para 2017

Realidade Virtual: a experiência imersiva a partir do vídeo 360°

Como empresas aproveitam a tecnologia para redefinir a relação das pessoas com seu desenvolvimento.

A pergunta deixou de ser “preciso ter um projeto de e-learning” para “como fazer um projeto de e-learning”.

A interpretação correta de dados e informações é fundamental ao planejar o futuro e elaborar hipóteses de cenários.

Todos são líderes dentro de sua realidade. A liderança é uma condição que está em cada um de nós.

O que falta para aquelas pessoas esforçadas que colecionam trapalhadas e negociações frustradas?

Qual a diferença que você tem que os outros não tem? Quais adjetivos estão espalhando por aí sobre você?

Transformar ideias embrionárias em “grandes ideias” e fazê-las ser adotadas.

Prêmios colocam UniBB na vanguarda da Educação Corporativa

Metas em qualquer organização são um horizonte que funciona para sinalizar quais são as possibilidades de progressão.

Ver mais